Sobre o que vêm depois de dizer: SAUDADE

"Saudade". Quanto tempo esperei para ouvir essa palavra. E ela vem acompanhada de outras duas; "de você". Quase que explodo num sorriso só. Esperei tanto, pensei até em dize-la primeiro, não podia mais guardar e aguardar por você. E nesses surtos de coragem interna, eu te imaginava dizer um "também".
 Não quero reticências depois disso. Nem silêncio. E dessa vez eu vou falar. Vou te convidar pra vir aqui em casa assistir um filme. Ou vou te levar pra tomar açaí no Yet's. Eu vou tentar fazer essas coisas sem que pareçam um convite para voltar-mos ao passado. É que eu não quero mais viver dele. Eu quero coisas pra hoje, pra amanha e depois, eu quero você de novo, e de novo. Não quero espaço pra lembranças, nem pretéritos perfeitos ou imperfeitos.
Você já fez muito, em falar que sente minha falta. Me deixe fazer o resto, me deixe mostrar os motivos que te fizeram confessar. Deixa eu gritar dizendo que eu também quase falei, só não falei por medo do também não vir.

Sabe que eu já não sinto mais dor quando eu lembro de tudo que a gente se fez? Do tanto que a gente machucou um ao outro?. Não é egoísmo não. É só que eu pesei meus sorrisos e meus choros, e vi que tinha mais felicidade aqui dentro do que mágoa. E cê sabe que não demorou muito pra bater saudade? Foram questão de semanas. E eu ardia por dentro desejando que você voltasse. Eu ignoraria todos as coisas ruins  todos os fatos. Eu te aceitaria sem mas, sem poréns. Na sem-vergonhisse mesmo.
E dai então eu fiquei na porta de braços abertos esperando você vir correndo. Aguentei algumas centenas de pedradas atiradas pela boca de quem acha que sabe de tudo sobre o amor e sobre a vida, mas não sabe nada. Ai quando eu vi que você não vinha eu fui lá pra tua porta, e fiquei com a mão fechada a poucos centímetros da madeira a ponto de fazer o toc toc que mudaria a minha vida, ou a traria ao normal. Mas eu não bati. Fiquei lá, tomando sol, chuva, vento, vendo a sua barba crescer e diminuir, teu cabelo mudar de corte umas 3 vezes. Ouvindo as bandas que eu gostava e você odiava, escondido no teu quarto.Vi coisas que só um tempo longe de você me permitiriam ver. E sabe, toda queimadura de sol, todo frio da chuva e do vento, toda a dor interna e externa que aqueles meses na tua porta me causaram, valeram a pena, afinal, no final.
 Não sei se foi você, cansado de ver aquela familiar intrusa acampando na tua porta todos os dias ao longo de meses, que me convidou pra entrar. Ou se eu, cansada de tentar criar voz e te chamar, escancarei a tua porta e fui logo entrando. Dando sorrisinho, dando oi, curtindo tuas fotos, teus status...
E foi assim, de curtidinha aqui, curtidinha ali, oi ali, oi acolá, que eu virei visita constante na tua vida, e você na minha.
Alguns móveis não estão mais no lugar por aqui, e existem novos tons, e novos elementos, mas tudo continua bonito. Assim como tudo que há em você.
E eu ainda sei o cômodo onde teu coração fica, e estou me arriscando a chegar lá. Devegar, sem pressa, sem perguntar. Sem que você me diga aonde é.
E e lá que eu quero morar, se possível por toda a eternidade. É onde eu quero deitar e dormir todas as noites, passando a mão no teu cabelo com corte novo e pensar, que nunca, nunca mais, haverá possibilidade de esperar a saudade bater para ouvir um "Eu também."

8 comentários:

  1. Lindo, Lindo, Lindo...
    http://outonosdehortela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Garota, você só tem texto lindo... Tô babando!!!
    Fiquei apaixonada por tudo que li aqui... Parabéns!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. super curtir seu blog inteiro!!!

    Me faça uma visita tbm..
    http://www.carolinapeclat.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. A saudade é tão poética...

    inconstanteando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Que lindo esse blog hein? Tem futuro! (:
    e quanto à saudade, não quero nem pensar :C
    Beijos!
    http://diamontlilac-news.blogspot.com.br (novo post)

    ResponderExcluir
  6. Que lindo, que fofo. Eu não gosto muito desse sentimento, mas acho que é ecenssial.

    @esteffanifontes, do blog Aos Dezesseis Anos
    aosdezesseisanos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente, devo dizer que me apaixonei pelo design do seu blog! A ausência de um certo "alguém" gera inúmeras dúvidas sobre o que será do futuro e expectativas que nunca serão atendidas pelo tal.

    clandestina-a-bordo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Lindo texto.
    Você escreve super bem.

    bjos.

    filhadejose.blogspot.com
    Ana Virgínia.

    Ah, aproveito para te convidar a participar do sorteio do livro "Um amor pra Recordar"

    http://www.facebook.com/pages/Filha-de-Jos%C3%A9/270301263015693?sk=app_154246121296652&app_data=%7B%22id%22%3A166394%7D

    ResponderExcluir

Olá, é um prazer ter você por aqui!
Mas por favor, leia o post antes de comentar ok? Comentários que não tiverem nada a ver com o conteúdo da postagem serão excluídos. Isso serve para aqueles "Nossa, adorei o texto".
Não siga para ganhar follow de volta, só seguirei seu blog se eu realmente gostar do conteúdo. Faça o mesmo por aqui.

Um beijo,
Lyn.