O espetáculo da criação.



Depois de tanto o procurar,avistei-o sentado ao norte,aborrecido como uma criança que teve um pedido negado,eu nunca o havia visto naquele estado. Me aproximei covardemente e não resisti a perguntar o que poderia lhe aborrecer daquela maneira.
- O que há ? O que lhe aborrece tanto ? - sentei-me ao seus pés,sua grandeza ainda me surpreendia.Seu olhar captava tudo e ao mesmo tempo nada,estava estático,triste.
- Aonde é que eu errei ? Me diga Samuel,aonde eu errei ? - meus olhos seguiram os Dele que agora enchiam-se de lágrimas,então captei o mundo no momento ápice de sua desgraça,bombas explodiam no céu tornando-o sombrio e indescritível,eram as mãos do homem pintando a maravilha divina com sangue e ódio. Aquele grandioso homem se culpava,se responsabilizava por tudo e por todos,e eu,pobre menino no inicio do meu centenário divino,não sabia o que fazer para amenizar aquela dor, que agora também era sentida por mim.
- Não é culpa tua,você deixou à eles um livro,um livro onde os mostrou o que fazer e como fazer... não se repudie O Grande. Abracei sua perna e apertei o mais forte possível,eu sabia que um abraço era ao melhor remédio na hora da dor,talvez eu estivesse errado,pois mesmo quando ele me retribuiu o abraço,ainda sentia a dor bater em seu peito.
- Podemos parar tudo,ajeitar as coisas,coloca-las em seus devidos lugares,eu posso traçar um projeto para o Senhor e... - disse entusiasmado,foi quando a imensidão de seu sorriso iluminou todo o lugar,era um brilho incandescente que interrompeu minha fala de imediato.
- Bom seria se todos tivessem a pureza de uma criança e um coração como o teu Samuel - não entendi muito bem o que Ele quis dizer com aquilo,mas ali de cima,ao lado dele,nada parecia tão difícil a ponto de ser impossível,o mundo era tão pequeno que quase cabia na palma da mão,o paraíso era inatingível.
- Porque não podemos começar tudo de novo ? - eu perguntei.
As cortinas de fumaça fechavam-se queimando o céu,o espetáculo de terror havia cessado por momento,as mesmas lágrimas de tristeza que rolavam em sua face,inundavam de felicidade familias castigadas pela seca em algum lugar ao sul.
- Ja fiz o que havia de ser feito Samuel,não posso tocar aonde não me deixam tocar... o homem há de aprender a lidar com a sua dor,como você disse... eu ja ensinei tudo à eles,eles só precisam me ouvir,só me ouvir ...

Sua voz ecoou por toda a terra,Seu coração chorava de tristeza,mas suas lágrimas eram doces como o amor,Ele foi caminhando,recuando de braços abertos,sempre de frente para sua criação,pois um pai nunca dá as costas aos seus filhos,mas os filhos dão as costas ao pai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, é um prazer ter você por aqui!
Mas por favor, leia o post antes de comentar ok? Comentários que não tiverem nada a ver com o conteúdo da postagem serão excluídos. Isso serve para aqueles "Nossa, adorei o texto".
Não siga para ganhar follow de volta, só seguirei seu blog se eu realmente gostar do conteúdo. Faça o mesmo por aqui.

Um beijo,
Lyn.